Associação Brasileira de Desporto para Deficientes Físicos Associação Brasileira de Desporto para Deficientes Físicos ABDDF
Notícia - 20/06/2018 às 07:36:55
TRÍPLICE COROA E BASE DA SELEÇÃO NORTEIAM CORINTHIANS/MOGI EM 2016
Time de futebol amputados forma esqueleto da seleção, fatura Paulista, Copa do Brasil e Brasileiro da modalidade e projeta repetir sucesso na próxima temporada

Por WILKER
BELO HORIZONTE, MG
ABDDF (Foto: ABDDF)
Time de futebol amputados forma esqueleto da seleção, fatura Paulista, Copa do Brasil e Brasileiro da modalidade e projeta repetir sucesso na próxima temporada

O ano de 2015 consagrou o Corinthians/Mogi, time de futebol de amputados de Mogi das Cruzes, como a maior equipe da modalidade no país. Afinal, o Alvinegro faturou os títulos do Paulista, Copa do Brasil e Brasileiro, além de servir como base da seleção brasileira. Com uma temporada de tanto sucesso, os objetivos do time para o próximo ano não poderiam ser outros que não a manutenção do patamar atingido.

Capitão, artilheiro e destaque do Corinthians/Mogi, o atacante Rogerinho, afirmou que os próximos passos já estão sendo traçados.

- Vamos voltar aos treinos no dia 16 de janeiro. Sabemos da grande dificuldade em manter o mesmo nível  e por isso estamos fechando a contratação de um auxiliar técnico e uma parceria com um Fisioterapeuta. Além disso, nossa meta para o ano que vem é tentar levar mais uma vez alguns jogadores para disputa do Campeonato Mundial. Com boas colocações nos campeonatos temos a convicção que eles poderão representar a seleção  - contou o "R9".

A boa temporada em 2015 trouxe reconhecimento para o Corinthians/Mogi, que foi chamado para a disputa do Mundial de Clubes, na Rússia. Porém, a falta de recursos financeiros impediu a participação da equipe no torneio. Por isso, Rogerinho garante que uma das principais metas para 2016 é angariar novos patrocinadores.

A ideia do time é manter também o trabalho realizado com os atletas fora de campo, com acompanhamento principalmente na parte psicológica.

- Nosso projeto sempre visou o lado da inclusão. Vamos continuar lutando para ajudar os jogadores que chegam frustrados com a perda de um membro e através do esporte descobrem que podem ter uma vida melhor. Temos exemplos no nosso time de atletas que hoje não só praticam o futebol, mas que correm, praticam lutas, fazem academia... Isso é fundamental para nós - disse Rogerinho.

Fonte: globoesporte.globo.com